Juntar arte, criatividade e inovação foi desde o início o objectivo do LACS. Com inauguração marcada para dia 08 de Junho, o LACS assume a sua vertente de divulgação artística, apresentando um programa que pretende promover a co-habitação de artes plásticas desenvolvidas por artistas consagrados e emergentes.
Para além da tela de grandes dimensões de Jorge Molder – colocada na empena do edifício do LACS virada para a Avenida 24 de Julho (mais notícias sobre o projecto na próxima semana) – a exposição das Edições Carpe Diem chega ao nosso cluster criativo, depois de ter percorrido cidades como Nova Iorque, Berlim, Barcelona ou Rio de Janeiro. Resultado da curadoria do director artístico da Carpe Diem, Lourenço Egreja, a exposição assume uma aposta na multiculturalidade e na diversidade de abordagens artísticas. Tendo as Edições Carpe Diem nascido com uma obra de Rodrigo Oliveira (Monumento a Tatlin – Numa Cozinha Palaciana – #2), a exposição conta com mais de 80 peças de artistas como Manuel Caeiro, José Lourenço, Sofia Leitão, Martin Guerra ou João Serra.
A não perder a partir de 11 de Junho até Outubro de 2018 no LACS.